Mesa 1 | Dia 02 -Quinta-feira | 18h30 | Sala 2

A mulher no audiovisual

Composição:

  • Mirta Ibarra (Cuba)

Mirtha Ibarra (San José de las Lajas, Cuba) é roteirista, dramaturga e atriz cubana de teatro, cinema e televisão. Estudou estudos na Escola Nacional de Artes de Cuba e se graduou em Literatura Latino Americana na Universidade de La Habana. Começou sua carreira como atriz em 1967. Foi júri de festivais internacionais de cinema, entre os quais o de San Sebastián. Em 2008 realizou o documentário Titón: de La Habana a Guantanamera, biografia do seu falecido esposo, o cineasta Tomás Gutiérrez Alea. Como atriz de cinema participou em vários filmes.

  • Concha Barquero (Espanha)

Graduada em Comunicação Audiovisual na Universidade de Málaga, especializada em roteiro na Universidade Autónoma de Barcelona. Têm explorado as possibilidades expressivas e experiênciais de filme que trabalha com a realidade. Com uma extensa carreira na televisão cultural e informativo, seus filmes têm viajado caminhos de maior liberdade.

  • Elena Vinardell (Espanha)

Elena Vilardell é Secretaria Técnica e Executiva do Programa Ibermedia desde fundação deste  programa da  Conferência de Autoridades Cinematográficas de Ibero-América. Nascida em Valencia, Elena Vinardell é licenciada em Filologia nas especialidades de Filologia Hispánica-Literatura Espanhola e em Linguagem Audiovisual em 1984. Diplomada em Historia e Estética do Cinema pela Universidade de Valladolid em 1989.

  • Manane Rodríguez (Uruguay)

Manane Rodríguez nasceu em Montevideo, Uruguay, em 1955. Em 1975, em pleno auge da ditadura militar, abandona o seu país e, depois de uma prévia passagem pela Argentina, se radica em Espanha. Em Madrid inicia sua carreira profissional e em 1990 dirige a sua primeira curta metragem de ficção, JUEGO DE CAFÉ, baseado em “Los pocillos” de Mario Benedetti. Em 2016 estreou a sua quinta longa metragem de ficção, MIGAS DE PAN.

  • Margarida Gil – Mediadora (Realizadora | Portugal)

 


Mesa 2 | Dia 06 – Segunda-feira | 18h30 | Sala 2

Feminismo, género e sexualidade

Composição:

  • Naura Silvia Requia Schneider (Brasil)

Atriz e Produtora Audiovisual, graduada em Jornalismo, Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal de Santa Maria/RS, Pós-Graduada em Cinema pela Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro/RJ e MBA em Cinema e TV pela Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro/RJ. É sócia fundadora da Voglia Produções Artísticas Ltda.

  • Mônica Amorim Monteiro (Produtora | Brasil)

Graduada na Universidade Pontifícia Católica de São Paulo-PUC, pós Graduada em Marketing: ESPM – São Paulo, mestrado em Educação – Universidade Católica de Brasília. É sócio proprietária da Cinegroup, produtora de conteúdo e publicidade, especializada no segmento audiovisual possuindo empresas em de Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e Cine Moçambique. Atua como produtora executiva, autora de projetos de produção de séries televisivas, documentários, vídeos institucionais, filmes publicitários, mídias interativas, comerciais para TV, séries educativas e de entretenimento no âmbito nacional e internacional. Entre as produções cinematograficas os documentários Esse viver ninguém me tira (2014)  e Mulheres Africanas (2012).

  • Marcela Mata (Realizadora / Uruguay)

Formada na ECU (Escola de Cinema do Uruguai), trabalhou como produtora na TV Ciudad, o canal público do IM, de 2002 a 2015. É é um membro do Conselho Honorário da Cinemateca Uruguaia desde 2006. Como produtora executiva independente realizou o documentário “3 Million” (Jaime Roos e Roos Yamandú), para além de inúmeros videoclipes e documentários. Como um escritora publicou “Doll” (yauguru Editorial 2015), um livro de poesia em sua segunda edição em 2013, editou o colagge fanzine e poesia aleatória “Tiger Giratorio”, pelo coletivo Pega Duro. Como escritora de ficção e diretora, é co-autor e co-diretor de “Os Modernos” (com Mauro Sarser).

  • Kenia Liranzo Núñez (República Dominicana)

Atriz e autora de teatro, formada na Escuela de Arte Dramático da República Dominicana (1993). É cantora e compositora, solista popular e cantora lírica. Pertenceu à corda de mezzo-sopranos do Coro Nacional da República Dominicana durante 16 anos, Autora e intérprete dos monólogos “Retorno” baseados em histórias reis de mulheres vítimas de tráfico humano. Foi fundadora e eleita por duas vezes parte da diretoria do Colegio Dominicano de Artistas do Teatro (CODEARTE) Formou-se em Advocacia na Universidade Nacional Pedro Henríquez Ureña (UNPHU) e completou o programa de especialidade em Relações Internacionais na Universidade de Brasília (UNB-2006). Atualmente é Ministra Conselheira na Embaixada da República Dominicana em Portugal.

  • Elena Cordero Hoyo (Espanha)

Elena Cordero Hoyo é Licenciada em Jornalismo e Comunicação (U. Rey Juan Carlos de Madrid, 2011) onde fez o Mestrado em Estudos de Cinema Espanhol (2013). Actualmente é bolseira FCT no Programa Internacional de Doutoramento em Estudos Comparatistas-PHDCOMP (U. Lisboa, U. C. Lovaina e U. Bolonha), desenvolvendo um projecto de pesquisa sobre o acesso da mulher ao cinema mudo em Espanha e Portugal. Faz parte dos projetos de pesquisa “O cinema e o mundo” do Centro de Estudos Comparatistas (U. de Lisboa) e “Presença e representação da mulher no cinema dos origens” (U. de Girona) e é editora em Secuencias, jornal online de história do cinema.

  • Maria João Coutinho – mediadora (Portugal)

Maria João Coutinho é Licenciada em História, variante Arqueologia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Pós-graduação em Paleontologia. Bolseira na Polónia e França. Tradutora para língua romena e francesa. Autora de vários artigos de indole literária. Membro da Associação Internacional de Paremiologia, Clepul. Realizadora. Técnica superior, responsável pelos eventos culturais da Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.