Timor, Janela Aberta

13 Abril, segunda-feira, 18h30 | Sala Montepio | Atividade gratuita

Língua banida durante a longa ocupação indonésia em Timor, o português instituiu-se como língua oficial, a par do tétum após a independência do país. Mas, a realidade não é tão linear: a geração atual aprende a língua portuguesa na escola, fala tétum em casa e noutros locais e o que escuta na comunicação social é em bahasa da Indonésia e em inglês. A carência de livros em português, sobretudo nas regiões mais remotas, e a enorme facilidade com que se liga a televisão e se sintonizam programas indonésios fazem com que este tema tão importante deva ser debatido em filme e na Mesa dedicada a Timor.

Com a participação de: Pascoela Barreto, José Amaral, Tiago Bastos, Paulo Pires, Georgina Benrós de Mello (Moderadora) e Maria Coutinho (Coordenadora da mesa)


Pascoela Barreto

pascoela

Nasceu em Pisso Lete, Bazartete, Timor. Professora na escola primária de Maliana de 1967 a 1970. Licenciada em Sociologia pelo ISCTE. Ativista da resistência timorense e da luta pela independência. Fez parte da Comissão Organizadora da Convenção Timorense na Diáspora que teve lugar em Peniche, em Abril de 1998, onde foi criado o Conselho Nacional da Resistência Timorense. Foi representante deste órgão em Portugal e depois chefe da Missão de Ligação da Administração Transitória de Timor Leste. Embaixadora de Timor-Leste de 2002 a 2007. Foi Embaixadora não-residente junto do Reino de Espanha (2004 a 2007).Retirada da atividade política desde 2007.


 

José Amaral

joséamaral

Nasceu na Aldeia de Camea Ai Lok Laran, Díli, capital de Timor Leste em 1964. Formou-se em Mecânica de Motores Marítimos e em Teatro. Em 2011, participou com o monólogo da peça de teatro “O Percurso”, da própria autoria, encenação e interpretação, no VI Circuito de Teatro em Português em São Paulo, Brasil. Foi responsável artístico de vários grupos de canto e dança Timorense em Portugal. Participou no videoclipe “Amor Cuidado”, no Rio de Janeiro em 2003. Campanha sobre o combate à SIDA (AIDS), patrocinado pelo Ministério da Saúde do Brasil.

De Maio de 2000 a Dezembro de 2007, foi Responsável da Educação e Cultura na Embaixada Timorense e desde 2008 é Responsável Cultural e Consular. Participou em conferências, colóquios e mesas redondas sobre cultura timorense e em geral, organizadas por universidades, escolas e associações.


 

Tiago Bastos

tiagobastos

Nasceu há 42 anos em Lisboa. Terminou a licenciatura em Gestão de Empresas na Universidade Lusíada, em 1997, tendo desenvolvido o seu percurso profissional no setor bancário, até Novembro de 2014. No verão de 2010 esteve envolvido na criação da Organização Não Governamental para o Desenvolvimento Karingana Wa Karingana, Instituição de Utilidade Pública vocacionada para a promoção e defesa da Lusofonia. Em Novembro de 2010, assumiu a presidência da Associação. Em três anos a ONGD recolheu mais de 350.000 livros e procedeu à distribuição de 250.000 em países e comunidades de língua portuguesa. Em Julho de 2011, foi criado o segundo maior prémio da língua portuguesa Karingana Wa Karingana – Universidade do Minho, em parceria com a Fundação Calouste Gulbenkian, com um júri presidido pelo escritor Mia Couto. Ainda em 2011, foi convidado para Secretário-Geral da Câmara de Comercio Portugal – Singapura.


 

Paulo Pires

paulinho

Nasceu 15 de Agosto de 1946, em Triscai, Timor-Leste. Foi professor no liceu Dr. Francisco Machado e da Escola Técnica Prof. Dr. Silva, Díli, Timor-Leste em 1974-75.

Formador dos professores de Português para Timor-Leste, num projecto patrocinado pela Universidade Católica Portuguesa, depois da restauração da independência. Cooperante português pelo IPAD – Instituto Português para o desenvolvimento – em Timor, de 2002-2006, envolvendo-se, durante estes 4 anos, como professor arguente das teses de licenciatura em língua portuguesa na UNTIL – Universidade Nacional de Timor Leste. Exerceu, ainda, funções como técnico da reforma curricular no Ministério de Educação de Timor e como professor no Seminário Maior de Fatimita, Díli, também entre 2002 e 2006.


Georgina Benrós de Mello

georgina

Natural de Cabo Verde, licenciou-se em Economia pelo ISEG – Universidade Técnica de Lisboa, fez estudos de pós-graduação no CENFA (Cabo Verde) & FUNDAP (Brasil) e na Graduate School of Public and International Affairs da Universidade de Pittsburgh (EUA). É Mestre em Património, Turismo e Desenvolvimento, pela Universidade de Cabo Verde. Tem experiência nos setores público e privado, organizações internacionais e ainda em organizações da sociedade civil. Já trabalhou com projetos de diferentes fundos e agências das Nações Unidas, tal como com projetos financiados pelo Banco Mundial, tanto em Cabo Verde como em Timor-Leste. Neste último país, conduziu o processo de instalação da agência de promoção do investimento e das exportações, tendo sido a sua primeira Diretora Executiva. Publicou artigos em revistas especializadas e em jornais, tanto em Cabo Verde como em Portugal, para além de ter várias comunicações publicadas em livros editados na sequência de participação em conferências. É co-autora do “Guia do Exportador para o Mercado da União Europeia”, editado em 2001, na Praia. Tem-se debruçado, nos últimos anos, privilegiadamente, sobre o desenvolvimento do comércio, do investimento, do setor privado, e da conexão às cadeias de valor globais. É Diretora-Geral da CPLP, desde fevereiro de 2014.