Ricardo Cabaça, licenciado em Estudos Portugueses e Lusófonos pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas e mestrando em Estudos de Teatro na Faculdade de Letras de Lisboa. Autor e encenador, cofundador e diretor da companhia de teatro 33 ânimos juntamente com a atriz e produtora Daniela Rosado. Levou à cena dois espetáculos no Festival de Curtas dos Primeiros Sintomas onde assinou a encenação e o texto, escreveu e encenou Morte súbita no Teatro A Barraca em novembro 2013 e co encenou Os palhaços com Daniela Rosado, no Porta4 em Barcelona, setembro 2013. Colaborou com o Teatro Ibérico (fotografia de cena e som), Teatro à Parte (dramaturgia e fotografia) e com Bruno Bravo (assistência de encenação). Publicou diversos trabalhos em revistas e em jornais. Participou na antologia de contos “Do conserto do mundo” e tem uma peça publicada na revista Bypass #2. Deu várias conferências sobre teatro português, entre as quais na FCSH-UNL, a convite do Departamento de Doutoramento de História, sobre o teatro português “Teatro português: um património por concretizar”. Atualmente trabalha no Centro de Documentação do TNDMII, onde criou o Clube de Leitores de Teatro e concebe diversas exposições sobre teatro.

João Cayatte
Licenciou-se na Escola Superior de Cinema e começou por trabalhar como primeiro assistente de realização em longas-metragens, tendo colaborado com Claude Miller, Walter Sales Jr., Charles Sturridge, Manoel de Oliveira, Roberto Faenza e John Malkovitch, entre outros. A partir de 2002, passa a realizar documentários e ficção, destacando-se as séries João Semana, Quando os lobos uivam e Uma família açoriana, bem como o telefilme A casa das 7 mulheres. Fez parte do júri nos festivais de cinema de Avanca, FIKE e nos prémios Sophia. É professor na ACT – Escola de Actores e membro da Academia Portuguesa de Cinema.

Letícia Constant
Jornalista, música e escritora, Letícia Constant nasceu em São Paulo, onde estudou, viveu e trabalhou até se mudar para Paris, em 1990. Tem vários livros publicados, como Casa 12, pela Companhia das Letras, Espelho Eu e Poemas de Candeia. Trabalha na Rádio França Internacional como editora na área de Cultura. Apaixonada pela Sétima Arte, realizou diversas pesquisas sobre o cinema francês, dos Irmãos Lumière e o “surrealista” George Méliès à Nouvelle Vague. No ano passado, participou no I Encontro Internacional de Jornalistas de Cinema do FESTin, analisando o desafio da cobertura radiofónica de grandes eventos cinematográficos como o Festival de Cannes, dificultada pela prioridade concedida aos media da imagem.